Cursos de Arte em Franca/SP

Cursos de Arte em Franca/SP
artiloka@gmail.com

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Ciclo Seco passa!

 Li sobre isto em um blog e refleti, não é que pode ser uma verdade? Quando tudo parece ruim pode ser apenas um ciclo seco. Leia mais:

 

Ciclo seco



Nem todo mundo conhece ciclo seco, a maioria até já passou por ele. Alguns mesmo vivem desde sempre dentro dele, achando que isso é vida e eternizando o que, por ser ciclo, deveria também ser transitório. Ciclo seco é um período ruim, onde É preciso acreditar que passa, embora quando dentro dele seja difícil e quase impossível acreditar não só nisso, mas em qualquer outra coisa. Não que ciclo seco não tenha fé, o que acontece é que não podendo ver o que não é visível, fica limitado ao real.

Antes de ir em frente, é importante dizer que ciclo seco nada tem a ver com as estações do ano. É coisa de dentro do humano, não de fora, e justamente por isso não tem nenhum método: vem quando não é esperado e vai quando não se suspeita. Ciclo seco não desaba de repente sobre alguém; chega aos poucos, insidioso, lento. Quando se percebe que se instalou, geralmente é tarde demais. Já está ali. É preciso atravessá-lo como a um deserto, quando se está no meio e a água acabou. Por ser limitado ao real, o ciclo seco jamais considera a possibilidade de um oásis ou de uma caravana passando. Secamente, apenas vai em frente.

Porque o real do ciclo seco são ações, não pensamentos nem imaginações. Tanto que, visto de fora, não é visível nem identificável. Não se confunde com “depressão”, quando você deixa de fazer o que devia, ou com “euforia”, quando você faz em excesso o que não devia. Em ciclo seco faz-se exatamente o que se deve ou não, desde escovar os dentes de manhã ou beber um uísque à tardinha, mas sem prazer. Nem desprazer: em ciclo seco apenas se age, sem adjetivos. A propósito, ciclo seco não admite adjetivos — seco é apenas a maneira inexata de chamá-lo para que, dando-lhe um nome, didaticamente se possa falar nele.

E deve-se falar dele? Quero supor, entusiástico, que sim. Mas não tenho certeza se dar nome aos bois terá alguma serventia para o dono dos bois ou sequer para os próprios bois — e essa é uma reflexão típica de ciclo seco. Mas vamos dizer que sim, caso contrário paro de escrever já. E falando-se dele, diga-se ainda que ciclo seco não é bom nem mau, feio ou bonito, inteligente ou burro (…) embora possa dar uma impressão errada a quem o vê de fora, ávido por adjetivar.

Ciclo seco, por exemplo, não se interessa por nada. Pior que não ter o que dizer, ciclo seco não tem o que ouvir, compreende? Fica na mais completa indiferença seja ao terremoto no Japão ou à demissão de Vera Fischer. No plano pessoal, tanto faz ler ou não ler um livro, ir ou não ao cinema — ciclo seco é incapaz de se distrair, de se evadir. Fica voltado para dentro o tempo todo, atento a quê é um mistério, pois que pode um ciclo seco observar de si mesmo além da própria secura, se não há sequer temporais, ventanias, chuvaradas? Nesse sentido, ciclo seco é forte, porque nada vindo de fora o abala, e imutável, porque de dentro nada vem que o modifique.

E nesse sentido também é antinatural, pois tudo se transforma e ele não, simulando o eterno em sua digamos, i-na-ba-la-bi-li-da-de. E sendo assim, com alívio vou quase concluindo, pode se deduzir que… Não, não se pode deduzir nada. Só que passa, por ser ciclo, e por ser da natureza dos ciclos passar. Até lá, recomenda-se fazer modestamente o que se tem a fazer com o máximo de disciplina e ordem, sem querer novidades. Chatíssimo bem sei. Mas ciclo seco é assim mesmo.

Todo mundo tem os seus, é preciso paciência. E contemplá-lo distante como se se estivesse fora dele, e fazer de conta que não está ali para que, despeitado, vá-se logo embora e nos deixe em paz? Eu, francamente não sei. Ainda mais francamente, nem sequer sinto muito.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Literatura é arte

Incrível texto de Clarice Lispector!

Duas interpretações totalmente contrárias. Muito bom!

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Exposição O Voo da Morte, 11 de setembro

Em setembro realizei uma exposição coletiva em Franca, no Núcleo Artiloka para expressarmos nossa aflição diante de um dos maiores atentados terroristas da história: o 11 de setembro. A exposição foi nomeada de nome: o voo da morte. Colocamos uma poltrona escrito: Embarque no voo 757, em frente haviam duas torres de tecido com luzes pequenas acessas. A idéia era que as pessoas se colocassem no lugar de quem encarrou de frente as duas torres e não teve a opção de escolher embarcar naquele voo ou não.
Além da instalação, a exposição trouxe ilustrações de Fabiano Freitas e textos de Talita Machiavelli e Geraldo Macedo. Confira algumas imagens:









terça-feira, 18 de outubro de 2011

Camisetas em 3D

As estampas superrealistas são da marca The Mountain, que conseguiu um efeito 3D incrível com os animais, dando a  impressão de que os bichos estão saltando da malha. Confiram, abaixo, o resultado.